quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Serra da Mantiqueira,a insubstituível



          Não precisa nem dizer que ela é maravilhosa,mas  um estudo publicado na revista Science apontou  a Serra da Mantiqueira como sendo  o 8º local de área protegida mais insubstituível do planeta.Elaborado pela International Union for Conservation of Nature, o ranking analisou 78 lugares, que abrangem 137 áreas protegidas em 34 países.(Fonte : G1)


                                           Serra da Mantiqueira
       A Serra da Mantiqueira é uma importante cadeia montanhosa, com altitudes que variam de 800 a 2.800 metros.Passa por Santo Antonio do Pinhal, São Bento do Sapucaí,   Campos do Jordão  e faz divisa com os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro.
                                           Pico dos Marins, Serra da Mantiqueira (divisa com Minas Gerais)
            Não importa se  ocupa apenas o 8º lugar nesse ranking que traz ainda o  Parque Nacional Kakadu ,na Austrália,  em primeiro lugar.O que vale mesmo  é saber que a Serra da Mantiqueira integra o ecossistema da Mata Atlântica que possui uma das maiores biodiversidades do planeta. . Algo tão incrível que fica difícil descrever com palavra.

            Um levantamento florístico
https://www.facebook.com/lucas.nogueiragoncalves?fref=ts feito pelo Consultor Ambiental, Lucas Nogueira Gonçalves, no Maciço do Marins, mostra  uma  diversidade enorme.Segundo Lucas,  fica impossível finalizar o levantamento,pois a cada análise são descobertas novas espécies. 
       A Serra da Mantiqueira já se tornou conhecida e admirada por muitos turistas que embarcam da grande cidade rumo ao ar fresco das cidades próximas à Mantiqueira.
As rochas encravadas na serra também são palco para 


prática de esportes de aventura.
Rocha na região do Gomeral, em Guaratinguetá

Falésia Paraíso, em Pindamonhangaba
    Este grande maciço também é conhecido pelas temperaturas amenas - principal atrativo aos turistas que frequentam a região. No último sábado, dia 28/12/13,os termômetros marcavam 42,1Cº em Moreira César,no Vale.  Em São Bento do Sapucaí, na Serra, as máximas marcavam 29,5 Cº.Uma demonstração do que uma área arborizada pode significar para a população que nela habita. (Fonte:Somar Meteorologia) 
   Um estudo feito pela Unesp de Presidente Prudente,SP,  apontou que nas áreas urbanas, as regiões mais quentes são as de conjuntos habitacionais, onde além de não ser costume a arborização das vias, muitas têm cobertura de telhas de fibrocimento, as eternites. O efeito positivo das árvores na redução do impacto do aquecimento local é tremendo. A boa distribuição de árvores e parques públicos são as estratégias mais viáveis para amenizar o efeito do aquecimento local.Além disso, as árvores tem o poder de retirar gases nocivos e  tira da atmosfera quase uma tonelada de monóxido de carbono por ano. 
        O que se vê ao longo dos anos são mais carros e menos árvores;  mais tempo quente e menos pássaros;  mais gente suando e menos gente respirando ar puro. Enfim, essa conta vai longe.
           Por falar em vegetação, além de árvores nativas como o Cedros, Palmeiras, Pau-brasil,Jequitibá-Rosa e  Figueiras, o Brasil é o   único país que  abriga  araucárias. No sudeste, o ecossistema Mata Atlântica da Mantiqueira é palco dessas beldades que podem atingir até 50m . 
Aurácarias
          A cadeia de montanhas  da Serra da Mantiqueira também é abrigo para espécies  de animais em extinção. Em São Francisco Xavier, por exemplo, podemos encontrar os muriquis, o maior primata das Américas. Entre outros animais   característicos da serra estão o lobo-guará, a onça parda, jaguatirica e o macaco bugio.
           A criação da Apa (Área de proteção ambiental) da Serra da Mantiqueira   em 1985 pode até ser um início de um projeto. Mas a iniciativa caminha  a passos lentos.Tudo depende da quantidade de recursos.Mas a medida   também precisa de voluntários que levem no sangue a vontade de ver em pé e protegida essa cadeia de montanhas.
            Envie seu comentário!    Será muito bem-vindo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário