terça-feira, 11 de outubro de 2016

Criança: livre de conceitos e preconceitos


Ao invés de bunda, cuquinha. Não pode falar bosta, tem de falar coco!
Quantas momentos hilárias vivemos na infância. Quanta coisa simples era motivo de vergonha.
Vender caldo de cana na infância ou ir de madrugada para a banca, era a morte. Ao mesmo tempo era a vida.

Felicidade sem fim o dia que voltávamos da escola e podíamos ir para o morro escorregar na casca de banana, e só voltar quando os carrapatos tivessem tomado conta de alguma parte do corpo, ou ainda quando a bermuda que estávamos usando rasgasse, devido ao gasto excessivo.



Hum... e quando a Lucinha nos chamava para ir até a fazenda do pai dela para cavalgar num dos cavalos, em muitos casos sem arreio. Nada acontecia comigo ou com meus irmãos e amigos.
Esses dias, essas lembranças simples da vida vieram à tona no ambiente de trabalho. Conversando com Leninha, uma daquelas mulheres de fibra, lembrávamos e gargalhávamos com algumas histórias de infância. Da época em que mão na massa era sinônimo de tombo, surra, briga, cicatriz. Sair para caçar iça era a aventura do século. Piolhos eram os nossos companheiros diários.




Lá em cima no texto falei de palavrão, não podíamos falar. Tanto, que até hoje falo apenas “bunda” e “bosta”. Kkkkk. Ufa, que avanço!!
Ainda no ambiente de trabalho, demos risada (desta vez, Adriana, Natássia e eu), por conta do palavrão. Adriana disse que experimentou o gosto do sabão, quando chamou a sua mãe de nome feio. “Agora eu sei o gosto do sabão, não é nada bom”!



Quanta lembrança boa e simples que nos trouxe até aqui, até ao que somos hoje.
Que as crianças saibam ser crianças de verdade. Que os adultos não esqueçam a criança que devem deixar brotar nas dificuldades. Criança que não esquece a ingenuidade nas coisas, o mais importante, que tem esperança de que tudo pode começar do zero, livre de conceitos e preconceitos.

Feliz Dia das Crianças!!! 


9 comentários:

  1. E que bom que o nosso lado criança sobrevive e que, por mais caretas que a nossa geração "parece" ter sido, a ingenuidade e doçura prevalecem. O tempo passa e, mesmo crianças, enfrentamos situações sem saber o motivo, sem ter medo. É de tudo isso ficaram as melhores lembranças. Feliz dia minha amiga.

    ResponderExcluir
  2. E que bom que o nosso lado criança sobrevive e que, por mais caretas que a nossa geração "parece" ter sido, a ingenuidade e doçura prevalecem. O tempo passa e, mesmo crianças, enfrentamos situações sem saber o motivo, sem ter medo. É de tudo isso ficaram as melhores lembranças. Feliz dia minha amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miga do céu, que delícia de texto e relato. Gratidão e amor....feliz ano, vida, minha amiga. To emocionada com o q vc, Eli e Fisher escreveram

      Excluir
    2. Miga do céu, que delícia de texto e relato. Gratidão e amor....feliz ano, vida, minha amiga. To emocionada com o q vc, Eli e Fisher escreveram

      Excluir
  3. Lílian, kkkkk chorei de rir, que divertido reviver tudo isso através de seus textos. E como vc posta suas irmãs sem roupas aí. O delícia, mas tudo teve um sabor mais doce pois tive irmaos como vcs. Parabéns pelo seu dia!!!

    ResponderExcluir
  4. Não vou escrever nada. Vou comentar no watsap. Kkkkkkk. Texto maravilhoso parabeéns.

    ResponderExcluir
  5. Não vou escrever nada. Vou comentar no watsap. Kkkkkkk. Texto maravilhoso parabeéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia esse contato. A vida é isso. Leveza

      Excluir
  6. Nasci com muita tesouros a minha volta. Ao longo da vida só tenho ganhado presentes lindos, todos com a pureza do amor. Vcs!!!!!

    ResponderExcluir